02 mayo 2010

OLIVO. Homenaje a José Saramago. Azinhaga, Portugal. Julio 2010


......en lugar de los misteriosos y vagamente inquietantes olivares de mi tiempo de niño y adolescente, en lugar de los troncos retorcidos, cubiertos de musgos y líquenes, agujereados de escondrijos donde se acogían los lagartos, en lugar de los doseles de ramas cargados de aceitunas negras y de pájaros.....

José Saramago. Las Pequeñas Memorias

Caro Marco,
Não tenho palavras para descrever a emoção que me causou a tua carta. À minha vida não têm faltado prémios, mas nenhum como este. Devo-o á tua generosidade, que eu já sabia ser grande, mas não a este ponto, que está para além do imaginável. São dívidas que não poderei pagar. Não somente esta contigo, mas também a que vou contrair com todos esses artistas que se dispõem a renunciar ao que lhes é devido. Não consegui segurar as lágrimas.
Um grande, um infinito abraço,
José Saramago